segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Corte fundo

Na pré-estréia do filme sexual que o namorado faz, a namorada enciumada, de saco cheio, saturada, entediada e viciada sai para fumar um cigarro. Na porta do teatro, enquanto fuma, ela conhece alguém interessante.

***

Na tentativa de ignorar o pensamento, às vezes me sinto patética.
As imagens são fortes, a boca saliva, o coração dispara, os olhos cerram-se
com força, como se essa força fosse mandar o fantasma embora.
Nada acontece.
Me sinto inútil, infértil, incrédula, inerte, invisível.
Nada acontece.
Uso palavras afiadas com fino fél e discreto corte
para tentar fechar a ferida.
Acontece que sangra, mas apenas em mim.
Se de um lado eu sou grito, manha, ferida quente aberta, cactus;
do outro você é maresia, sussurros, sensações lânguidas, flocos de neve virgens.
Nada acontece. Às vezes me sinto patética.

5 comentários:

luizayabrudi disse...

adorei, bruna!!

Joi disse...

uaaauu muito bom!! adoro aqui!

e o primeiro texto é uma cena interessante, veio flashs de imagens na minha cabeça. ou melhor, vieram, né...

Bruna disse...

Desenvolve ai, Pig!

Nana disse...

Oi oi! que coisa bonita Bruna! Somos patéticos na maioria do tempo. é uma luta constante e diária pra modificar essa realidade. hahaaa

Textos disse...

muito bom !
continuaaa